Pular para o conteúdo principal
O texto abaixo for escrito em 1994. Eu estava cursando o segundo ano da faculdade de Letras. Isto dito, não é necessário mencionar a fonte de inspiração. Mas literatura, (que atrevido eu sou) é linguagem e linguagem é resultado da interação humana... os livros nos inspiram, entretanto nosso chão de cada dia também deixa levantar sua poeira. Após a leitura deixe seu comentário: se ruim, piegas, trash... não deixe de comentar.


Uma linha

Não! Não senhora.
Nós não estávamos desprovidos senão de apenas dois olhinhos.
Sim. O que mais vi foi o eterno vir mesmo assim desconecto do porvir.
E agora o que interessa, enfim, são como se formaram tão lindos e límpidos em mim.
Peguei um pé, sim, um pé de rosa-jasmim e rasguei o que dela gotejava.
Ficou então pasma olhando a imensidão do Rio. Corria os olhos, sem brilho algum, via aquela entorpecente tarde desfulgurando suas bandeirolas, suaves alamedas cheias de arvoredos, calçadas espaçosas, casarões murmurantes. Folhas secas caídas ao chão misturavam-se com as polidas pedras que perfaziam aquele recanto de lugar onde ela, alegremente, cantarolava e convivia com os seus ternos vizinhos.
Depois peguei meu barco e olhei o Céu, o sol, as estrelas que já despontavam sobre seu cálido mostrador e dei-me a a remar sob seu olhar não menos despido de qualquer sentimento de dor e profunda mágoa. Ficou assim a contemplar o que dela era e as tristes e cálidas, mas válidas idades que por ela um dia se desabrocharam, mergulharam e esvoaçaram sorrisos flértidos de ternura e consternação.
Sim, talvez não seja eu jamais a te ver assim pois, por mim, não que eu não queira ver mais a suave e límpida água que tão cheia de formosura e encanto desce do chafariz a regar os caminhos do meu encanto. Mas vejo-a secar-se e umidar os flancos rostos , que eu jamais beijei pois, por ti, eu sempre jurei, sou agora obrigado a fechá-la totalmente.



São Paulo, 19 de julho de 1994.


Geraldo de Santana Santos

Comentários

  1. bellìssima poesia... como tudo o que vc escreve.
    Eh enriquecedor ler teu blog.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Um texto é sempre inconcluso.

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…