Pular para o conteúdo principal

'O outro mundo possível'

“[...]
Cuba está longe do que seria 'o outro mundo possível'. Porém, uma coisa é certa: para quem vive como rico no mundo capitalista, ali se situa o inferno; para a classe média, o purgatório; para os pobres, o paraíso – não há analfabetos, famintos ou pessoas impedidas de acesso à saúde e à educação. E se há um povo que pensa com o coração, gosta de religião e adora música, esporte e arte, é o povo cubano.”
In Revista Poder Joyce Pascowitch. São Paulo: Glamurama Editora. Março 2009, nº 13, p.53




O capitalismo não é ruim em si. Como tem sido usado, fragmentado, distorcido nos quatro cantos do planeta, faz com que todos vejam nesse regime econômico uma representação do próprio diabo. Se o poeta Gregório de Matos fosse nosso contemporâneo diria que, sabatinado por representantes de todas as religiões, “o coisa ruim” negou que ele seja o mentor intelectual da quebra dos bancos nos EUA, de seu sistema imobiliário, da especulação financeira e dos paraísos fiscais. Na sabatina, alguém falou da invasão ao Iraque, da pedofilia e comércio de seres humanos. O “demo” detalhou que gostaria mesmo de ter participado de todos esses eventos, mas não deixaram. A avareza está na alma humana assim como prótons e elétrons compõem o átomo. Em alguns ela é mais visível, em outros ela consubstancia-se “naquela oportunidade inequívoca de tirar o pé da lama”. É só uma questão de ocasião: o taxista, o padeiro, o pedreiro que desperdiça o material para justificar o tempo parado, o atendente que nega a nota fiscal, etc.
Você, leitor, então questiona: e o político corrupto no gabinete? Aquele que exerce um mandato político não é um taxista – representante da categoria na câmara, assembleia? O homem da padaria, representante de seus pares está exercendo, num dado momento, o cargo eletivo. O sindicalista... Todos nós temos esse borrão em nossa carga de humanidade. Reprimir ou deixar vir à tona a cobiça, a avareza ?
O verbo [reprimir] nos direciona para Cuba. Não sou solidário a essa forma de governo. Reconheço que o adjetivo que menos qualifica a Ilha, e seus governantes, faz companhia para o substantivo, regime - “repressor”. É bem capaz de alguém sugerir – alguém que tenha cpf, endereço fixo e talvez passaporte, não uma entidade do mundo não físico – que tem muito mais valor o consumo, a reificação do que acesso à saúde, educação e que se admire Paulo Coelho e não Frei Betto. Ora, de que adianta ter acesso à educação e saúde se não posso ter como aliviar minha consciência distribuindo sopa debaixo dos viadutos nas noites frias do inverno; criar uma ONG para arrecadar fundos e cuidar das crianças abandonadas tanto pelos pais biológicos quanto pelo estado – nas Fundações Casa, abrigos e congêneres - pelas ruas e avenidas?
Ah! as festas natalinas. Quanto afago eu sinto ao ver aquela maravilhosa árvore de Natal enfeitando a sede do banco , cujo proprietário foi o primeiro a levantar a voz contra os juros tão baixos; o bolsa família vai quebrar as contas públicas!
Não podemos ser superficiais e rotular as pessoas de acordo com a classe social/econômica na qual estão situadas. Apesar de este tornar-se o exercício mais fácil e por extensão o mais simplório de se realizar, o rótulo estigmatiza ou exclui quando o olhar conveniente é o da esfera das similaridades, de entendimentos que estão na mesma confluência apesar do fosso cristalizado pela condição financeira. Há homens e mulheres ricos extremamente comprometidos com a erradicação da fome e da miséria assim como há homens e mulheres pobres insensíveis às necessidades preeminentes de seu semelhante.
O que está posto neste excerto da Revista Poder Joyce Pascowitch é uma característica, o ideal a perseguido pelos países de norte governamental socialista, mas, visível a olho nu, em Cuba. O papel do estado como provedor das necessidades básicas de seus cidadãos (“não há analfabetos, famintos ou pessoas impedidas de acesso à saúde e à educação”) em oposição ao cotidiano dos países regulados pelo capitalismo. Entretanto, não podemos nos esquecer de que há países capitalistas nos quais não há analfabetos, famintos ou pessoas impedidas de acesso à saúde e à educação . Muitos estados nórdicos tem esse perfil sócio-econômico.
'O outro mundo possível': é isto mesmo o que procura o viajante que vai à Cuba?
“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria; por estas coisas é que vem a ira de Deus [sobre os filhos da desobediência].” Colossenses 3.5, 6.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…