Pular para o conteúdo principal

O professor e a cegueira*

Não é novidade o trabalho fotográfico realizado por portadores de necessidades especiais, com destaque para os cegos. Aqui mesmo na folha, por volta de 2003 (não tenho exatidão) foi publicado um material sobre Evgen Bavcar. Em visita ao Brasil, despertou uma legião de fãs ao falar sobre seu trabalho e a cegueira (http://photos.uol.com.br/materia.asp?id_materia=312). Unindo a experiência desse homem singular e as técnicas da Fotografia Pinhole muitos professores na rede pública estadual, com destaque para os de Arte, mas não só esses, desenvolvem atividades com seus alunos regularmente. Tem um trabalho belíssimo a despeito de suas condições - para desenvolver uma atividade como essa -. Permanecem no subsolo da rede de educação, não são entrevistados, badalados, por que?
Conheço uma professora que faz e acontece dentro da sala de aula/unidade escolar... mas será muita covardia minha falar apenas dela: seu trabalho existe porque tem o apoio (moral/ético/profissional) de dezenas de colegas dentro da unidade.
O sindicato é a entidade representativa da categoria: a FIESP é representativa de uma categoria. É oportuno dizer que eles também manifestam-se, e muito! Dimenstein, esse espaço é seu. Você tem o direito de falar sobre qualquer assunto, inclusive destacar suas simpatias a esse ou aquele grupo/indivíduo. Os professores não podem ter representatividade? São errados por que são professores ou por que se fazem representados?

*Comentário sobre texto de Gilberto Dimenstein com título “Professor ensina cego a ter visão.”

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/gilbertodimenstein/ult508u708578.shtml
Acesso: 18 mar 2010 .

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…