Pular para o conteúdo principal

América!

Pensar o Brasil como um dos países mais distantes dentro de seu próprio continente: qual significado queremos que ele tenha ou passe a ter na eleição de um projeto de governo: é importante que o Brasil aproxime-se de seus vizinhos como império ou como igual - respeitador da soberania do outro? O Brasil já pode partilhar suas conquistas emancipatórias desde formas de governos totalitários à condução de sua economia e solidificação de processos nos quais evidencia-se a inclusão dos menos favorecidos - os rumos para redução da miséria, aprofundamento dos meios de inserção social?

Um exercício fundamental neste momento histórico nosso. É importante exercitarmos o olhar não apenas para a Europa ou EUA, mas enxergar, aceitar o outro, o vizinho [argentino, paraguaio...] não como excêntrico, mas como alguém pertencente a uma cultura, língua e civilização muito próxima da nossa. Nesse sentido, também refletir, assim como eles, nós fomos arrancados de nossa pátria (os negros) e expulsamos aqueles legítimos donos da América do Sul.

Penso que é um trabalho marcante, mas fora dos debates dos grandes veículos de comunicação ou até mesmo dos cursos universitários. Vamos à luta! Discutir a América Latina para além de suas fronteiras: uma América dinâmica, múltipla em sua formação cultural; gente inteligente para além dos estereótipos impingidos pelo colonizador. Um continente que não despreza seu passado, mas é capaz de idealizar seus próprios rumos, construir os sonhos de seu povo, de sua gente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…

“A antiga e a moderna cruz.”

“A antiga cruz não faz trégua com o mundo . Significa o fim da jornada para o orgulho adâmico. Na prática, ela constituiu a aplicação da sentença prescrita pela lei do Sinai. Já a cruz moderna não faz nenhuma oposição à raça humana; antes é companheira, amiga, e , se encarada corretamente, oferece-lhe divertimento bom e agradável, uma alegria inofensiva. Ela não afronta absolutamente as inclinações de Adão.”
A.W. Tozer. “A antiga e a moderna cruz.”