Pular para o conteúdo principal

Vozes

O álbum “Felicidade guerreira” do quarteto A Quatro Vozes é, ao mesmo tempo, um registro histórico, uma inovação e uma boa dose de independência cultural. É histórico porque possibilita o exercício de imaginação do que foi mutilado da cultura dos homens e mulheres negros que vieram do continente africano como escravos. Este traço está presente nas melodias e letras que, intencionalmente, retratam o triunfo de poder desfrutar a liberdade do quilombo em oposição à senzala; a transição do regime de escravidão “encarcerado” para a servidão na condição de bóia fria. Constitui-se um trabalho de inovação porque transita com firmeza e elegância pelas vibrantes notas musicais de sagrados compositores negros tanto brasileiros quanto bluesmen e jazistas norte americanos. Mas não fica atolado nem lá, nem cá. Foge dos rótulos quando toma por empréstimo canções de domínio público - algo que já é seu – sem, contudo, autodenominar-se representante do cancioneiro popular nacional.
Ouvir cada música do álbum é poder rememorar ou notar movimentos, gestos, olhares, vozes , sabores e aromas distintos que a música, como arte, consegue tornar vívidos quando essa está entregue aos cuidados das mãos, vozes e reverência de pessoas que reconhecem sua identidade e sua história -ainda que lhe tenham transmitido de forma distorcida.
Meus avós fundaram o quilombo do Mangal, margem esquerda de quem desce o Rio São Francisco, na Bahia. Confesso que chorei ao reconhecer algumas melodias. Na minha infância meus pais não tinham rádio ou qualquer outro aparelho de reprodução sonora dessas canções: tudo isto estava presente nas festas, brincadeiras, alegorias e afazeres domésticos. Mas através da arte reconhecemos que esse saber faz parte de nosso legado, coletivo e individual; aponta, dignamente, para os meus antepassados e permite-me prospectar o futuro.
Ainda que seja um trabalho de 2005 vale a pena conferir. Há outras obras mais recentes.


A QUATRO VOZES
http://aquatrovozes.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…

“A antiga e a moderna cruz.”

“A antiga cruz não faz trégua com o mundo . Significa o fim da jornada para o orgulho adâmico. Na prática, ela constituiu a aplicação da sentença prescrita pela lei do Sinai. Já a cruz moderna não faz nenhuma oposição à raça humana; antes é companheira, amiga, e , se encarada corretamente, oferece-lhe divertimento bom e agradável, uma alegria inofensiva. Ela não afronta absolutamente as inclinações de Adão.”
A.W. Tozer. “A antiga e a moderna cruz.”