Pular para o conteúdo principal

Vozes

O álbum “Felicidade guerreira” do quarteto A Quatro Vozes é, ao mesmo tempo, um registro histórico, uma inovação e uma boa dose de independência cultural. É histórico porque possibilita o exercício de imaginação do que foi mutilado da cultura dos homens e mulheres negros que vieram do continente africano como escravos. Este traço está presente nas melodias e letras que, intencionalmente, retratam o triunfo de poder desfrutar a liberdade do quilombo em oposição à senzala; a transição do regime de escravidão “encarcerado” para a servidão na condição de bóia fria. Constitui-se um trabalho de inovação porque transita com firmeza e elegância pelas vibrantes notas musicais de sagrados compositores negros tanto brasileiros quanto bluesmen e jazistas norte americanos. Mas não fica atolado nem lá, nem cá. Foge dos rótulos quando toma por empréstimo canções de domínio público - algo que já é seu – sem, contudo, autodenominar-se representante do cancioneiro popular nacional.
Ouvir cada música do álbum é poder rememorar ou notar movimentos, gestos, olhares, vozes , sabores e aromas distintos que a música, como arte, consegue tornar vívidos quando essa está entregue aos cuidados das mãos, vozes e reverência de pessoas que reconhecem sua identidade e sua história -ainda que lhe tenham transmitido de forma distorcida.
Meus avós fundaram o quilombo do Mangal, margem esquerda de quem desce o Rio São Francisco, na Bahia. Confesso que chorei ao reconhecer algumas melodias. Na minha infância meus pais não tinham rádio ou qualquer outro aparelho de reprodução sonora dessas canções: tudo isto estava presente nas festas, brincadeiras, alegorias e afazeres domésticos. Mas através da arte reconhecemos que esse saber faz parte de nosso legado, coletivo e individual; aponta, dignamente, para os meus antepassados e permite-me prospectar o futuro.
Ainda que seja um trabalho de 2005 vale a pena conferir. Há outras obras mais recentes.


A QUATRO VOZES
http://aquatrovozes.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…