Pular para o conteúdo principal

Minha doce Manhattan!

O Brasil segue um caminho do qual não pode desviar-se: remover a miséria, injustiça e corrupção. A ascensão social é para todos, para sempre. O desafio é concentrar esforços para transformar reação em ação contínua.

Estamos chegando ao final do ano. Festejos, gastos, planos, viagens, emoções de encontro e reencontro são a tônica desse período na vida não só dos brasileiros. Estamos acostumados a passear e gastar um pouco mais do que deveríamos. O receituário é repetido ano após ano: “ninguém é de ferro”, mesmo sabendo que o índices de arrecadações alcançam novos patamares.

E ninguém é de ferro mesmo. Às vezes, o peso é retirado da consciência, atenuado, sublimado, pelos gestos de bondade que fazemos. Ora um panetone para um desconhecido no semáforo, uma cesta básica para alguém reconhecidamente carente ou a doação daquelas roupas ou calçados que... já não servem mais – fora de moda, desbotadas: já compramos outras mesmo!

Bem, comprar ou não comprar não é a questão. Vivemos, internamente, um momento de prosperidade financeira, emprego em qualquer região do país, o Rio de Janeiro conquistando emancipação do tráfico, da violência urbana e do crime organizado. Após a eleição de uma mulher para presidente da república, os ares que respiramos são de comodidade, alívio e projetos. Para todos os lados o que se ouve ou que se vê são planos: a viagem de férias via aérea, trocar o carro popular por um modelo que tenha mais conforto, viagem à Europa – bens de consumo ou não, são planos.

Contudo, não é o bem de consumo que devemos planejar, mas sim a construção de mecanismos para o combate à endêmica corrupção que perpassa as diversas esferas de poder e instituições. Já não é mais tempo de olhar para o garoto de rua, os altos salários dos mandatários políticos, o desvio de função de policiais, invasão de mananciais, insuficiência do atendimento na saúde pública e o péssimo salário e qualificação dos professores como um problema do outro. O outro “Disse o Senhor a Caim: onde está Abel, teu irmão? Ele respondeu: não sei; acaso sou eu tutor de meu irmão? (Gênesis 4:9)

Ah, o outro! Para que preocupar-me com ele? “Quando só a gente morava aqui era ótimo!” exclamou a moradora de um condomínio de “quase” médio padrão, referindo-se aos moradores dos prédios recém construídos naquele condomínio. Aliás, os novos moradores são obra do atual momento econômico. Esse desassossego cristaliza a vontade de “subir na vida” desde que o outro não suba ou, em melhor hipótese, que o outro seja a escada e, eu, lá de cima, possa atirar uma moedinha para a empregada doméstica, para o filho do porteiro, do lavador de carros e fique com os olhos marejados pelos enfeites de natal nas alamedas dos shoppings e prédios da Avenida Paulista, minha doce Manhattan dos trópicos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…