Pular para o conteúdo principal

O que escrevemos, o que somos: nada.

O que escrevemos, o que somos: nada. O que escrevemos ou falamos é resultado das leituras e audições que ouvimos. Augste Comte (1798-1857) conjectura que o homem é produto do meio, portanto está encerrado o equívoco “tive uma ideia!”. Quem canta “Feliz aniversário”, o faz não porque tenha, em dado momento presenciado seu nascimento, mas porque ouviu falar que é aniversariante naquela data.
Notou bem? “ouviu falar” ou leu em algum “testemonial” sobre seu níver. Poucas pessoas presidiram sua data de nascimento. Por circunstâncias inúmeras, estavam presentes, naquele dia, apenas algumas pessoas: como você pode justificar a imensa quantidade de presentes que ganhara no dia de seu casamento? É resultado de escolhas que você fez. Não se esqueça daquela vizinha de tua mãe: - Como cresceu, ainda ontem eu estava com você no colo! E aquela tia: Cuide bem de minha menina, eu dei o primeiro banho!
Pra que lembrar da data de casamento? Pelo andar da carruagem, muita coisa em nossa vida foi pro ralo do imprevisível? Quase! Ainda hoje eu conversava com uma amiga e, lá pelas tantas, ela soltou algumas de suas pérolas.
- Fulana era apaixonada por aquele menino, mas ele, metido a galã, paquerava outra
pessoa. E Andreia que gostava de Carlos?
Algumas exceções, uma em um milhão, é que se concretizaram. As demais foram parar nos registros das doces memórias da adolescência. O que escrevemos ou que somos: nada. É resultado, não raso, das leituras e audições que fazemos. Percorremos determinadas trilhas sonoras singulares ao plano inicial que havíamos traçado.
Devemos ter planos, sonhos, mas existe um mistério, também singular, que nos leva a celebrar cinquenta anos de aniversário de casamento de y e x; o diploma de formatura do amigo de infância.
Para que escrevemos, então? Por que falamos de nossas doces memórias?
O Senhor agrada-se dos que o temem e dos que esperam na sua misericórdia.” Salmos 147.11



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…

“A antiga e a moderna cruz.”

“A antiga cruz não faz trégua com o mundo . Significa o fim da jornada para o orgulho adâmico. Na prática, ela constituiu a aplicação da sentença prescrita pela lei do Sinai. Já a cruz moderna não faz nenhuma oposição à raça humana; antes é companheira, amiga, e , se encarada corretamente, oferece-lhe divertimento bom e agradável, uma alegria inofensiva. Ela não afronta absolutamente as inclinações de Adão.”
A.W. Tozer. “A antiga e a moderna cruz.”