Pular para o conteúdo principal

O que escrevemos, o que somos: nada.

O que escrevemos, o que somos: nada. O que escrevemos ou falamos é resultado das leituras e audições que ouvimos. Augste Comte (1798-1857) conjectura que o homem é produto do meio, portanto está encerrado o equívoco “tive uma ideia!”. Quem canta “Feliz aniversário”, o faz não porque tenha, em dado momento presenciado seu nascimento, mas porque ouviu falar que é aniversariante naquela data.
Notou bem? “ouviu falar” ou leu em algum “testemonial” sobre seu níver. Poucas pessoas presidiram sua data de nascimento. Por circunstâncias inúmeras, estavam presentes, naquele dia, apenas algumas pessoas: como você pode justificar a imensa quantidade de presentes que ganhara no dia de seu casamento? É resultado de escolhas que você fez. Não se esqueça daquela vizinha de tua mãe: - Como cresceu, ainda ontem eu estava com você no colo! E aquela tia: Cuide bem de minha menina, eu dei o primeiro banho!
Pra que lembrar da data de casamento? Pelo andar da carruagem, muita coisa em nossa vida foi pro ralo do imprevisível? Quase! Ainda hoje eu conversava com uma amiga e, lá pelas tantas, ela soltou algumas de suas pérolas.
- Fulana era apaixonada por aquele menino, mas ele, metido a galã, paquerava outra
pessoa. E Andreia que gostava de Carlos?
Algumas exceções, uma em um milhão, é que se concretizaram. As demais foram parar nos registros das doces memórias da adolescência. O que escrevemos ou que somos: nada. É resultado, não raso, das leituras e audições que fazemos. Percorremos determinadas trilhas sonoras singulares ao plano inicial que havíamos traçado.
Devemos ter planos, sonhos, mas existe um mistério, também singular, que nos leva a celebrar cinquenta anos de aniversário de casamento de y e x; o diploma de formatura do amigo de infância.
Para que escrevemos, então? Por que falamos de nossas doces memórias?
O Senhor agrada-se dos que o temem e dos que esperam na sua misericórdia.” Salmos 147.11



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…