Pular para o conteúdo principal

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encaminhados para o hospital local (do município).


Um dado curioso tem saltado aos olhos daquela jovem. Ela notou, a partir das informações coletadas, que todas as crianças participantes do Bolsa Família estão com peso melhor do que aquelas outras não participantes. A dinâmica do programa requer da família vacinação atualizada bem como presença em sala de aula. A visita ao Saúde da Família se dá por conta da vacinação ou porque naquele dia da semana é o dia agendado para atendimento às crianças. Nesse momento a equipe registra peso, estatura e constrói o histórico daquela criança conferido em toda visita.


Enquanto os coronéis do antigo nordeste faziam uma política na base do toma lá da cá, cabresto, irrigação de seus feudos e outros adjetivos, os atuais governadores da região têm convicção de que não podem errar nada, em absoluto. Se fizerem a leitura de que a reeleição ou a eleição do sucessor é o extremo sucesso, nas próximas eleições, serão arrancados dos palácios e gabinetes sem dó nem piedade. O eleitor não é mais atraído pelo discurso vazio que dizia ser aquele político o maior representante do estado, “o único que sempre lutou...” Todos os que assim fizeram entraram em rota de colisão. Basta observar o resultado das urnas no último pleito.


Tem muito veículo de comunicação que vai perder o momento histórico do norte / nordeste porque seu olhar foi domesticado para enxergar comida e música exóticas; crianças subnutridas; moças “coitadinhas” prontas para o serviço doméstico; generalizado atraso educacional e, sem exceção, todo Homem nordestino é rude [Rigoroso, severo, intransigente]. “Bom e civilizado é o moço do sul. Lá é o Brasil verdadeiro porque existe uma locomotiva de vento em popa”. Mais quatro ou oito anos o fluxo de turistas terá destino diferente do que existe hoje.



O que está mudando no nordeste não é só a economia ou os indicadores de emprego: a autoestima do homem e da mulher nordestinos está muito mais elevada do que qualquer índice de desenvolvimento regional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Flores e perigo!

“Viver é perigoso!”*

O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?
Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...
Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou cl…