Pular para o conteúdo principal

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encaminhados para o hospital local (do município).


Um dado curioso tem saltado aos olhos daquela jovem. Ela notou, a partir das informações coletadas, que todas as crianças participantes do Bolsa Família estão com peso melhor do que aquelas outras não participantes. A dinâmica do programa requer da família vacinação atualizada bem como presença em sala de aula. A visita ao Saúde da Família se dá por conta da vacinação ou porque naquele dia da semana é o dia agendado para atendimento às crianças. Nesse momento a equipe registra peso, estatura e constrói o histórico daquela criança conferido em toda visita.


Enquanto os coronéis do antigo nordeste faziam uma política na base do toma lá da cá, cabresto, irrigação de seus feudos e outros adjetivos, os atuais governadores da região têm convicção de que não podem errar nada, em absoluto. Se fizerem a leitura de que a reeleição ou a eleição do sucessor é o extremo sucesso, nas próximas eleições, serão arrancados dos palácios e gabinetes sem dó nem piedade. O eleitor não é mais atraído pelo discurso vazio que dizia ser aquele político o maior representante do estado, “o único que sempre lutou...” Todos os que assim fizeram entraram em rota de colisão. Basta observar o resultado das urnas no último pleito.


Tem muito veículo de comunicação que vai perder o momento histórico do norte / nordeste porque seu olhar foi domesticado para enxergar comida e música exóticas; crianças subnutridas; moças “coitadinhas” prontas para o serviço doméstico; generalizado atraso educacional e, sem exceção, todo Homem nordestino é rude [Rigoroso, severo, intransigente]. “Bom e civilizado é o moço do sul. Lá é o Brasil verdadeiro porque existe uma locomotiva de vento em popa”. Mais quatro ou oito anos o fluxo de turistas terá destino diferente do que existe hoje.



O que está mudando no nordeste não é só a economia ou os indicadores de emprego: a autoestima do homem e da mulher nordestinos está muito mais elevada do que qualquer índice de desenvolvimento regional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A música

Cuidar do próprio trabalho – frequentar cursos de qualificação, atualizar-se, pensar em investir em novas possibilidades – cuidados com a saúde, lazer; constituir família ou zelar da esposa/o; são tarefas corriqueiras de todo trabalhador contemporâneo.
Mas, observe, não poucos são esmagados por um pensamento consumista cuja missão é extrair o máximo possível das energias do indivíduo enquanto ele é
distraído com “vantagens e generosidades” do tipo adquirir o carro que lhe proporciona status e reconhecimento entre seus pares e que também consegue provar para os vizinhos que ele é um fulano relevante; equipamentos de última geração para manter-se conectado e ampliar as chances profissionais e de lazer; além de pacotes extremamente convidativos para um final de semana em resorts com centenas de opções de entretenimento; mais isto, mais aquilo mantem-no enebriado enquanto os meios de comunicação – também empregados como veículos essenciais para inspirar, acender o desejo – dão conta da fru…

Flores e perigo!

“Viver é perigoso!”*

O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?
Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...
Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou cl…

“Pense no Haiti, reze pelo Haiti”

Os tremores que devastaram a capital do Haiti nos aproximam tanto do sofrimento daquela gente quanto do show produzido em nome da tragédia. As calamidades trouxeram comoção àqueles que estão distantes na mesma proporção que atraiu para Porto Príncipe uma multidão de businessman. Com todo respeito aos homens e mulheres de boa intenção espalhados pelo planeta terra, nota-se – a partir do noticiado nos jornais, na tv e na internet - a presença de um enorme contigente de pessoas ávidas por extrair algo especial daqueles que estão debaixo dos escombros e dos que perambulam sem destinos, ou fazendo saques, pelas ruas da cidade.
Voltemos no tempo e ao texto bíblico de Marcos 5.24-25: a mulher do fluxo de sangue, para parafrasear o que ocorre pelas rua de Porto Príncipe. Ali, o que é que sugere “tocar as vestes e ficar curada”? Se toda a comunidade internacional se retirar daquele lugar não vai haver quem socorra os feridos, você poderá argumentar. De que modo aqueles que estão presos deba…