Pular para o conteúdo principal

Carta do gerente aos membros do clube – seção AL.

Senhores membros,

Quero ser breve, objetivo. Conforme circular, inadvertidamente publicada, venho por intermédio desta reforçar a urgência de não perdermos de vista o comprometimento e empenho de todos ratificado em nossos encontros. Não obstante, temos encontrado falhas imensas as quais, devo dizê-los com tristeza, nos custarão muito. São elas:
Por que ainda não conseguiram privatizar o ensino nos estados do Sudeste brasileiro? Não adianta tro-ló-ló como resposta. As condições estão dadas. Até a ajuda de um desequilibrado surgiu e ninguém está tirando proveito. As universidades públicas continuam sendo as melhores: vocês conseguem enxergar que este dinheiro poderia ser nosso? O ataques aos professores tem diminuído!

Por que as emissoras líderes em audiência já não conseguem emplacar níveis de participação tão grandes quanto 10 anos atrás? É preciso dizer com maior veemência que internet custa caro. As pessoas deixarão de comer para pagar conta de banda larga, pagar prestação de computador? Precisamos publicar mais estudos, de especialistas, reforçando a necessidade dos filhos dos pobres tomarem cuidados com o uso do computador;

Precisamos de pessoas, qualificadas no estrangeiro, argumentando em programas televisivos, sobre o mal que existe em fazer caminhadas: é mais conveniente consumir medicamentos de nossos parceiros farmacólogos, que os planos de saúde são mais seguros dos que os hospitais públicos, que a corrupção só vai desaparecer no dia em que assumirmos as redes de saúde em sua integra, que o sistema de transporte público tende a melhorar em cidades como São Paulo a partir dos planos de privatização das linhas do metrô e o fim do bilhete único – os trens e metros atrasam porque o bilhete único no bolso de muitos passageiros atrapalha os satélites ;

A inflação precisa voltar ao Brasil - nossos bancos estão descapitalizados. Vai faltar minério de ferro porque a China já tem suas reservas estabilizadas. Precisamos repetir o ano de 2008.

Por fim, nos veículos de comunicação de massa – de massa – não podem deixar que opiniões destoem de nossos objetivos: não publiquem os reais motivos do bombardeio à Líbia; a divisão do Sudão; que a Grécia entrou em colapso porque a população foi às ruas contra a privatização do ensino; que professores em países com PISA alto, tem salários ótimos, poucas horas trabalhadas e desfrutam de ano sabático. Ao que me parece a entrada dessa guerrilheira deixou todo mundo disperso. Não podemos perder o foco. Repito, precisamos repetir o ano de 2008.



Best regards.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…