Pular para o conteúdo principal

Carta do gerente aos membros do clube – seção AL.

Senhores membros,

Quero ser breve, objetivo. Conforme circular, inadvertidamente publicada, venho por intermédio desta reforçar a urgência de não perdermos de vista o comprometimento e empenho de todos ratificado em nossos encontros. Não obstante, temos encontrado falhas imensas as quais, devo dizê-los com tristeza, nos custarão muito. São elas:
Por que ainda não conseguiram privatizar o ensino nos estados do Sudeste brasileiro? Não adianta tro-ló-ló como resposta. As condições estão dadas. Até a ajuda de um desequilibrado surgiu e ninguém está tirando proveito. As universidades públicas continuam sendo as melhores: vocês conseguem enxergar que este dinheiro poderia ser nosso? O ataques aos professores tem diminuído!

Por que as emissoras líderes em audiência já não conseguem emplacar níveis de participação tão grandes quanto 10 anos atrás? É preciso dizer com maior veemência que internet custa caro. As pessoas deixarão de comer para pagar conta de banda larga, pagar prestação de computador? Precisamos publicar mais estudos, de especialistas, reforçando a necessidade dos filhos dos pobres tomarem cuidados com o uso do computador;

Precisamos de pessoas, qualificadas no estrangeiro, argumentando em programas televisivos, sobre o mal que existe em fazer caminhadas: é mais conveniente consumir medicamentos de nossos parceiros farmacólogos, que os planos de saúde são mais seguros dos que os hospitais públicos, que a corrupção só vai desaparecer no dia em que assumirmos as redes de saúde em sua integra, que o sistema de transporte público tende a melhorar em cidades como São Paulo a partir dos planos de privatização das linhas do metrô e o fim do bilhete único – os trens e metros atrasam porque o bilhete único no bolso de muitos passageiros atrapalha os satélites ;

A inflação precisa voltar ao Brasil - nossos bancos estão descapitalizados. Vai faltar minério de ferro porque a China já tem suas reservas estabilizadas. Precisamos repetir o ano de 2008.

Por fim, nos veículos de comunicação de massa – de massa – não podem deixar que opiniões destoem de nossos objetivos: não publiquem os reais motivos do bombardeio à Líbia; a divisão do Sudão; que a Grécia entrou em colapso porque a população foi às ruas contra a privatização do ensino; que professores em países com PISA alto, tem salários ótimos, poucas horas trabalhadas e desfrutam de ano sabático. Ao que me parece a entrada dessa guerrilheira deixou todo mundo disperso. Não podemos perder o foco. Repito, precisamos repetir o ano de 2008.



Best regards.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A música

Cuidar do próprio trabalho – frequentar cursos de qualificação, atualizar-se, pensar em investir em novas possibilidades – cuidados com a saúde, lazer; constituir família ou zelar da esposa/o; são tarefas corriqueiras de todo trabalhador contemporâneo.
Mas, observe, não poucos são esmagados por um pensamento consumista cuja missão é extrair o máximo possível das energias do indivíduo enquanto ele é
distraído com “vantagens e generosidades” do tipo adquirir o carro que lhe proporciona status e reconhecimento entre seus pares e que também consegue provar para os vizinhos que ele é um fulano relevante; equipamentos de última geração para manter-se conectado e ampliar as chances profissionais e de lazer; além de pacotes extremamente convidativos para um final de semana em resorts com centenas de opções de entretenimento; mais isto, mais aquilo mantem-no enebriado enquanto os meios de comunicação – também empregados como veículos essenciais para inspirar, acender o desejo – dão conta da fru…

Flores e perigo!

“Viver é perigoso!”*

O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?
Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...
Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou cl…

“Pense no Haiti, reze pelo Haiti”

Os tremores que devastaram a capital do Haiti nos aproximam tanto do sofrimento daquela gente quanto do show produzido em nome da tragédia. As calamidades trouxeram comoção àqueles que estão distantes na mesma proporção que atraiu para Porto Príncipe uma multidão de businessman. Com todo respeito aos homens e mulheres de boa intenção espalhados pelo planeta terra, nota-se – a partir do noticiado nos jornais, na tv e na internet - a presença de um enorme contigente de pessoas ávidas por extrair algo especial daqueles que estão debaixo dos escombros e dos que perambulam sem destinos, ou fazendo saques, pelas ruas da cidade.
Voltemos no tempo e ao texto bíblico de Marcos 5.24-25: a mulher do fluxo de sangue, para parafrasear o que ocorre pelas rua de Porto Príncipe. Ali, o que é que sugere “tocar as vestes e ficar curada”? Se toda a comunidade internacional se retirar daquele lugar não vai haver quem socorra os feridos, você poderá argumentar. De que modo aqueles que estão presos deba…