Pular para o conteúdo principal
Negro
 
I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 


I’ve been a slave:
       Caesar told me to keep his door-steps clean.
       I brushed the boots of Washington. 


I’ve been a worker:
       Under my hand the pyramids arose.
       I made mortar for the Woolworth Building. 

 
I’ve been a singer:
       All the way from Africa to Georgia
       I carried my sorrow songs.
       I made ragtime. 


 I’ve been a victim:
       The Belgians cut off my hands in the Congo.
       They lynch me now in Mississippi.


 I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 

                                      
                                               
HUGHES, Langston. Selected Poems. Forum, v. XXIX, n. 3, jul.1991, p. 7. [Langston Hughes é um escritor estadunidense, afrodescendente. Este poema foi publicado em 1959.]Disponível em: http://langston-and-us.over-blog.com/article-negro-64559481.html Acesso: 12 agosto 2011


     Vi este poema, pela primeira vez, hoje - 12 de agosto de 2011- . A professora que me apresentou a obra talvez não percebeu minha reação de espanto diante de algo tão intenso. Para minha grata surpresa trata-se de um autor e obra prestigiadíssimos no plano da literatura estadunidense.

       As referências apresentadas estão contidas em "papers", páginas de editoras e outros do meio acadêmico  que saboreiam a vasta obra de um negro determinado"Always intensely subjective, passionate, keenly sensitive to beauty and possessed of an unfaltering musical sense".

     Caso você tenha interesse em saber sobre Hughes, inicie  lançando seu nome no google e passeie pelas diversas páginas que vão de pequenos  fragmentos a artigos enormes - provavelmente trabalhos de conclusão de curso.

P.S.: este texto foi encontrado numa prova do processo seletivo da UEG 2001/2, em PDF (www.nucleodeselecao.ueg.br/PDFs/ps/1/provas/ingles.pdf).












Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…

“A antiga e a moderna cruz.”

“A antiga cruz não faz trégua com o mundo . Significa o fim da jornada para o orgulho adâmico. Na prática, ela constituiu a aplicação da sentença prescrita pela lei do Sinai. Já a cruz moderna não faz nenhuma oposição à raça humana; antes é companheira, amiga, e , se encarada corretamente, oferece-lhe divertimento bom e agradável, uma alegria inofensiva. Ela não afronta absolutamente as inclinações de Adão.”
A.W. Tozer. “A antiga e a moderna cruz.”