Pular para o conteúdo principal
Negro
 
I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 


I’ve been a slave:
       Caesar told me to keep his door-steps clean.
       I brushed the boots of Washington. 


I’ve been a worker:
       Under my hand the pyramids arose.
       I made mortar for the Woolworth Building. 

 
I’ve been a singer:
       All the way from Africa to Georgia
       I carried my sorrow songs.
       I made ragtime. 


 I’ve been a victim:
       The Belgians cut off my hands in the Congo.
       They lynch me now in Mississippi.


 I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 

                                      
                                               
HUGHES, Langston. Selected Poems. Forum, v. XXIX, n. 3, jul.1991, p. 7. [Langston Hughes é um escritor estadunidense, afrodescendente. Este poema foi publicado em 1959.]Disponível em: http://langston-and-us.over-blog.com/article-negro-64559481.html Acesso: 12 agosto 2011


     Vi este poema, pela primeira vez, hoje - 12 de agosto de 2011- . A professora que me apresentou a obra talvez não percebeu minha reação de espanto diante de algo tão intenso. Para minha grata surpresa trata-se de um autor e obra prestigiadíssimos no plano da literatura estadunidense.

       As referências apresentadas estão contidas em "papers", páginas de editoras e outros do meio acadêmico  que saboreiam a vasta obra de um negro determinado"Always intensely subjective, passionate, keenly sensitive to beauty and possessed of an unfaltering musical sense".

     Caso você tenha interesse em saber sobre Hughes, inicie  lançando seu nome no google e passeie pelas diversas páginas que vão de pequenos  fragmentos a artigos enormes - provavelmente trabalhos de conclusão de curso.

P.S.: este texto foi encontrado numa prova do processo seletivo da UEG 2001/2, em PDF (www.nucleodeselecao.ueg.br/PDFs/ps/1/provas/ingles.pdf).












Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…