sábado, 13 de agosto de 2011

Negro
 
I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 


I’ve been a slave:
       Caesar told me to keep his door-steps clean.
       I brushed the boots of Washington. 


I’ve been a worker:
       Under my hand the pyramids arose.
       I made mortar for the Woolworth Building. 

 
I’ve been a singer:
       All the way from Africa to Georgia
       I carried my sorrow songs.
       I made ragtime. 


 I’ve been a victim:
       The Belgians cut off my hands in the Congo.
       They lynch me now in Mississippi.


 I am a Negro:
        Black as the night is black,
        Black like the depths of my Africa. 

                                      
                                               
HUGHES, Langston. Selected Poems. Forum, v. XXIX, n. 3, jul.1991, p. 7. [Langston Hughes é um escritor estadunidense, afrodescendente. Este poema foi publicado em 1959.]Disponível em: http://langston-and-us.over-blog.com/article-negro-64559481.html Acesso: 12 agosto 2011


     Vi este poema, pela primeira vez, hoje - 12 de agosto de 2011- . A professora que me apresentou a obra talvez não percebeu minha reação de espanto diante de algo tão intenso. Para minha grata surpresa trata-se de um autor e obra prestigiadíssimos no plano da literatura estadunidense.

       As referências apresentadas estão contidas em "papers", páginas de editoras e outros do meio acadêmico  que saboreiam a vasta obra de um negro determinado"Always intensely subjective, passionate, keenly sensitive to beauty and possessed of an unfaltering musical sense".

     Caso você tenha interesse em saber sobre Hughes, inicie  lançando seu nome no google e passeie pelas diversas páginas que vão de pequenos  fragmentos a artigos enormes - provavelmente trabalhos de conclusão de curso.

P.S.: este texto foi encontrado numa prova do processo seletivo da UEG 2001/2, em PDF (www.nucleodeselecao.ueg.br/PDFs/ps/1/provas/ingles.pdf).












Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um texto é sempre inconcluso.