Pular para o conteúdo principal

Flores e perigo!


“Viver é perigoso!”*


O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?

Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...

Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou classe social.

Qual é o estilo de vida esgotado? De qual bacia de valores nós nos desfizemos? Antigamente...
Antigamente foi jogado no lixo por inteiro ou pela metade? A latência está na aquisição de bens materiais – casa própria, automóveis, viajens, crédito para aquisição do que é necessário e para o inutil?

Vivemos um ciclo – início ou fim – no qual o ideal mais elevado é viver o senso comum ao extremo: a mãe que não consegue inspirar seu filho a investir na vida estudantil como projeto de vida pessoal – “tanto faz a aprovação por esforço ou porque o “sistema” o excluiu das salas de aulas”; o pai dá as costas para a filha porque não há argumentos capazes de mudar a opinião da moça sobre... autoestima, banalização da violência contra a mulher; erotização da infância; hedonismo -
substantivo masculino 1. ét cada uma das doutrinas que concordam na determinação do prazer como o bem supremo, finalidade e fundamento da vida moral, embora se afastem no momento de explicitar o conteúdo e as características da plena fruição, assim como os meios para obtê-la. 2. p.ext. modo de vida inspirado no ou evocativo do hedonismo; dedicação ao prazer como estilo de vida.”

Podemos acalentar o desejo do totalitarismo como resposta para todos os males: historicamente, onde essa regime de governo consolidou o desenvolvimento da espécie em patamar melhor do que aquele no qual ela se encontrara? Os textos, as imagens narram que as respostas simples são a abertura de poços de tragédias – em sua maioria irremediáveis.

De quais habilidades, hábitos de vida devemos nos apropriar para que nossos filhos sejam melhores; a relação com o desconhecido seja cordial e tolerável; o erro seja perdoado; o dinheiro não seja motivo de desprezo àquele que não o tem?

Viver é perigoso!” Podemos dominar nossos medos para que o outro tenha paz?



* “Viver é perigoso!” é uma frase do autor João Guimarães Rosa em seu fantástico romance Grande Sertão: Veredas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…