Pular para o conteúdo principal

Flores e perigo!


“Viver é perigoso!”*


O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?

Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...

Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou classe social.

Qual é o estilo de vida esgotado? De qual bacia de valores nós nos desfizemos? Antigamente...
Antigamente foi jogado no lixo por inteiro ou pela metade? A latência está na aquisição de bens materiais – casa própria, automóveis, viajens, crédito para aquisição do que é necessário e para o inutil?

Vivemos um ciclo – início ou fim – no qual o ideal mais elevado é viver o senso comum ao extremo: a mãe que não consegue inspirar seu filho a investir na vida estudantil como projeto de vida pessoal – “tanto faz a aprovação por esforço ou porque o “sistema” o excluiu das salas de aulas”; o pai dá as costas para a filha porque não há argumentos capazes de mudar a opinião da moça sobre... autoestima, banalização da violência contra a mulher; erotização da infância; hedonismo -
substantivo masculino 1. ét cada uma das doutrinas que concordam na determinação do prazer como o bem supremo, finalidade e fundamento da vida moral, embora se afastem no momento de explicitar o conteúdo e as características da plena fruição, assim como os meios para obtê-la. 2. p.ext. modo de vida inspirado no ou evocativo do hedonismo; dedicação ao prazer como estilo de vida.”

Podemos acalentar o desejo do totalitarismo como resposta para todos os males: historicamente, onde essa regime de governo consolidou o desenvolvimento da espécie em patamar melhor do que aquele no qual ela se encontrara? Os textos, as imagens narram que as respostas simples são a abertura de poços de tragédias – em sua maioria irremediáveis.

De quais habilidades, hábitos de vida devemos nos apropriar para que nossos filhos sejam melhores; a relação com o desconhecido seja cordial e tolerável; o erro seja perdoado; o dinheiro não seja motivo de desprezo àquele que não o tem?

Viver é perigoso!” Podemos dominar nossos medos para que o outro tenha paz?



* “Viver é perigoso!” é uma frase do autor João Guimarães Rosa em seu fantástico romance Grande Sertão: Veredas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…

“A antiga e a moderna cruz.”

“A antiga cruz não faz trégua com o mundo . Significa o fim da jornada para o orgulho adâmico. Na prática, ela constituiu a aplicação da sentença prescrita pela lei do Sinai. Já a cruz moderna não faz nenhuma oposição à raça humana; antes é companheira, amiga, e , se encarada corretamente, oferece-lhe divertimento bom e agradável, uma alegria inofensiva. Ela não afronta absolutamente as inclinações de Adão.”
A.W. Tozer. “A antiga e a moderna cruz.”