Pular para o conteúdo principal

Sou professor ou sou filho de professor

Ouvi de uma senhora não alfabetizada que falar em educação e saúde é uma coisa que os políticos falam para os pobres, principalmente perto de campanha eleitoral.  Depois disto os interesses dos ricos políticos é o que mais aparece no noticiário: aumento de salários, verba de gabinete, combustíveis e passagens - além de assessores.
Todo candidato (a governador, deputado, vereador)  tem pronta a primeira parte da resposta sobre o tema Educação: “Sou professor, professora  ou sou filho ou filha de  professor/a: sei muito bem o que é levar atividades para corrigir em casa.” Pronto, brilhante! Notem, tudo o mais nessa área se encerra após a recitação do mantra acima  com acenos de que já “achamos a resposta para o problema”.  Contudo, nenhum deles leva adiante um programa ou o programa de candidato (quando o tem).    

Por que tantos projetos eloquentes não funcionam, são abruptamente interrompidos ou abandonados? As verbas faraônicas não chegam em sala de aula? Décadas de redemocratização do país e os resultados continuam os mesmos. Os índices de aproveitamento dos concluíntes caem ano após ano.
No campo da educação, e também das outras áreas, mas principalmente da educação, o professor não é ouvido em sala de aula - o que se conhece é o relatório de uma consultoria, contratada a peso de ouro, mostrando o que deve ser feito para melhorar (obviamente os interesses de quem ela e seu contratante representa). No mais, são anos e mais anos de pouco caso.
Os projetos e planos não contagiam os professores porque não parte deles: não são, na pratica, parte significativa do problema  ou importante  para resolver o problema. Será mesmo que eles são preguiçosos como os relatórios das "consultorias" fazem crer que o são? Quem é consultado para elaborar propostas para atender a demanda educacional do menino e da menina da região metropolitana? Quem é consultado para elaborar propostas para atender a demanda educacional do menino e da menina da cidade distante seiscentos quilômetros do polo industrial? A medicação é a mesma, não importa se aquela criança fica o dia inteiro na creche porque sua mãe trabalha ou se é de uma cidade pequena na qual a oferta de emprego não interfere diretamente na presença do responsável ao ponto deste participar efetivamente da vida escolar inclusive levando-o todos os dias   à escola.

Alguém já investiu na educação como os países nórdicos fazem ou não é melhor copiar os programas (de editores/fabricantes) bancados pelo banco mundial? Aliás, porque na proposta de governo o tema educação é lindo e, quando eleito, o tratamento dado é para o programa das fundações – também chamadas ONG’s.  O que se ouve é “captação de recursos do fundos de investimentos de bancos.” Quando eleito a preocupação é com a educação do tipo linha de produção: reduzir custos, enxugar a máquina;  fechar salas de aulas.

O que queremos é educação de qualidade para a maioria da população ou para alguns membros da população - aqueles que não estão em salas superlotadas, têm professores com mestrado e doutorado ainda no fundamental II? Ou os filhos de avós professores cujo pai agora é deputado, senador, prefeito...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu nome

Olá! Eu me chamo – quer dizer, não escolhi esse nome, assim como não me recordo de ter me chamado para ver se eu estava presente ou ausente, principalmente na sala de aula onde eu tinha (porque deram-me) um número. Contudo, gosto do nome que tenho.
Tendo desse modo dito quem sou, em outras palavras, porque tenho um sobrenome e um nome a associar-me como membro de um grupo de humanos, às vezes com as mesmas características, outras vezes gostaria que o dna do ISIS apontasse que aqueles caras... deixa pra lá! Pertencem à raça humana?
Já estudei em várias salas de aulas, com várias pessoas – algumas, em verdade bem poucas, morreram. Portanto, não sou tão avançado em idade: sou quase jovem. Não é bom? Vamos lá, seja sincero, afinal quem envelhece – o corpo – não está na moda.
Eu, quando não me chamam, gosto de ler livros, jornais, revistas [de tirinhas a assuntos de economia], gosto de música - erudita, étnica, rural, não objeto de consumo. Gosto do saber, do conhecimento construído. Quando…

Papel de padaria

Só estão conseguindo fazer esse barulho todo, esse tal de “Não vai ter copa!” porque a obra – as obras todas – é gigantesca tanto em sua execução quanto em seus desdobramentos.
Qual foi a grande obra dos encastelados nos grandes bancos, dos privativistas? Fizeram tudo silenciosamente… só para uns poucos… Isto é, quando fizeram. Pegue um papel de padaria e tente anotar.
Se a abertura da Copa fosse no Morumbi não traria os mesmos benefícios para a cidade de São Paulo, pois  é uma área com sua infraestrutura (cultural, viária e urbanística), ainda que necessite de ajustes, consolidada.
Quando há benefícios para a “ralé” da sociedade fazem barulho, [gritam, esperneiam] surgem defensores da moral e da ordem: “estão gastando o dinheiro dos nossos “himpostos”!
Hipócritas, preferem fazer “doações” e incluir a doméstica e seus filhos como dependentes do IR a vê-la inscrever seu filho/a no ENEM, Prouni ou pagar a prestação do Minha Casa Minha Vida.
Deixar de dizer a verdade ou deixa…