Pular para o conteúdo principal

Sou professor ou sou filho de professor

Ouvi de uma senhora não alfabetizada que falar em educação e saúde é uma coisa que os políticos falam para os pobres, principalmente perto de campanha eleitoral.  Depois disto os interesses dos ricos políticos é o que mais aparece no noticiário: aumento de salários, verba de gabinete, combustíveis e passagens - além de assessores.
Todo candidato (a governador, deputado, vereador)  tem pronta a primeira parte da resposta sobre o tema Educação: “Sou professor, professora  ou sou filho ou filha de  professor/a: sei muito bem o que é levar atividades para corrigir em casa.” Pronto, brilhante! Notem, tudo o mais nessa área se encerra após a recitação do mantra acima  com acenos de que já “achamos a resposta para o problema”.  Contudo, nenhum deles leva adiante um programa ou o programa de candidato (quando o tem).    

Por que tantos projetos eloquentes não funcionam, são abruptamente interrompidos ou abandonados? As verbas faraônicas não chegam em sala de aula? Décadas de redemocratização do país e os resultados continuam os mesmos. Os índices de aproveitamento dos concluíntes caem ano após ano.
No campo da educação, e também das outras áreas, mas principalmente da educação, o professor não é ouvido em sala de aula - o que se conhece é o relatório de uma consultoria, contratada a peso de ouro, mostrando o que deve ser feito para melhorar (obviamente os interesses de quem ela e seu contratante representa). No mais, são anos e mais anos de pouco caso.
Os projetos e planos não contagiam os professores porque não parte deles: não são, na pratica, parte significativa do problema  ou importante  para resolver o problema. Será mesmo que eles são preguiçosos como os relatórios das "consultorias" fazem crer que o são? Quem é consultado para elaborar propostas para atender a demanda educacional do menino e da menina da região metropolitana? Quem é consultado para elaborar propostas para atender a demanda educacional do menino e da menina da cidade distante seiscentos quilômetros do polo industrial? A medicação é a mesma, não importa se aquela criança fica o dia inteiro na creche porque sua mãe trabalha ou se é de uma cidade pequena na qual a oferta de emprego não interfere diretamente na presença do responsável ao ponto deste participar efetivamente da vida escolar inclusive levando-o todos os dias   à escola.

Alguém já investiu na educação como os países nórdicos fazem ou não é melhor copiar os programas (de editores/fabricantes) bancados pelo banco mundial? Aliás, porque na proposta de governo o tema educação é lindo e, quando eleito, o tratamento dado é para o programa das fundações – também chamadas ONG’s.  O que se ouve é “captação de recursos do fundos de investimentos de bancos.” Quando eleito a preocupação é com a educação do tipo linha de produção: reduzir custos, enxugar a máquina;  fechar salas de aulas.

O que queremos é educação de qualidade para a maioria da população ou para alguns membros da população - aqueles que não estão em salas superlotadas, têm professores com mestrado e doutorado ainda no fundamental II? Ou os filhos de avós professores cujo pai agora é deputado, senador, prefeito...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sampa pela Copa

Publicação by São Paulo City.


Isto é quase, bem próximo, do que é a real cidade de São Paulo. Subúrbio é um termo apreciado pelos franceses. Não é exclusivo do idioma, vem do latim,  mas é um vocábulo que identifica o que existe em torno da cidade. Assim, não há, no vídeo, o subúrbio com seus vários sorrisos. Acho que a criatividade cairia muito bem na periferia do poético show de imagens.


São Paulo,
a cidade com suas cidades,
sonoras vaidades,
idade  da modernidade
afinidade com identidade
de todos os cantos.
Quem te vê
não cabe a vida em uma única cidade.

Flores e perigo!

“Viver é perigoso!”*

O que você tem a dizer sobre esta frase – ela está correta, transmite certeza? Mas como é que podemos fazer para ultrapassar a linha do perigo e viver? Ou, se não houver perigo não é viver?
Voê já viveu grandes perigos este ano? Olha que ainda estamos só no cemecinho do segundo semestre. Pois é, são terremotos e mais terremotos aqui em nosso quintal – porque é fácil dizer “as garotas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram”, o Nepal...
Quando olhamos para o outro e suas misérias abandonamos nossa indigência. Agarramo-nos num cipoal de certezas que nos leva a um êxtase inenarrável. Veja você os registros de intolerância, racismo, ódio, exclusão social e desejo de vigança. Não são exclusivos desses dias: exacerbam-se não porque há número maior de veículos e meios de comunicação, mas porque não é possível escondê-los. Nascem, tomam forma e multiplicam-se no seio da sociedade como produto, filho dela mesma. É um parto normal! Sem distinção de cor de pele e ou cl…

Todo homem nordestino é rude!

Economia crescente, investimentos públicos, transferências de plataformas operacionais de companhias consolidadas no eixo sul/sudeste em sintonia com programas de distribuição de renda fazem com que cidades como Salvador inaugurem três grandes shoppings no período de 6 anos. Isto sem falar no número de edifícios residenciais e comerciais no mesmo período. Para efeito de ilustração nem a gigante Casas Bahia tinha loja na capital baiana em data anterior ao ano de 2006.


No interior, da Bahia, num povoado qualquer, uma enfermeira [graduada em 2009] dirige o Programa Saúde da Família no posto de saúde local. Ela, um médico, um dentista e mais um bom punhado de agentes comunitárias cobrem toda a área. Funciona assim: todos os moradores da região – algo em torno de três mil e quinhentas pessoas – estão cadastrados; a agenda do posto está distribuída de maneira que, em cada dia da semana, um segmento da população é atendido. O conceito é o de medicina preventiva. Casos graves são encami…